transformação de energia
© Prathan Keawkhum |

Charlotte Hugman, Analista de Pesquisa de Benchmark de Energia e Clima da Aliança Mundial de Benchmarking, pondera se a Ásia pode ser a primeira região do mundo a alcançar a transformação de energia para todos

Quando uma economia nacional não consegue se separar amplamente de indústrias altamente poluentes, pode ser significativamente mais difícil descarbonizar. A Ásia é uma dessas regiões onde a questão energética permanece altamente complexa e delicada. O desafio da Ásia é ter 4,5 bilhões de habitantes e uma economia dependente da manufatura, da extração à produção. É também um continente de grandes diferenças – países com escalas e níveis de desenvolvimento variados. A transformação em toda a Ásia é uma tarefa árdua. Mas, se bem feito, é uma oportunidade para a Ásia se tornar o modelo para a descarbonização global e a transformação energética.

A mentira do terreno: energia renovável na Ásia

A capacidade de geração de energia renovável da Ásia está em uma trajetória ascendente. De acordo com um relatório recente da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), a Ásia foi responsável por mais da metade de toda a nova capacidade renovável adicionada globalmente em 2019 (1). O mesmo relatório mostra que a participação da Ásia na capacidade global de geração de energias renováveis ​​é de 44%, quase o dobro da Europa (23%) (1). Os avanços na geração de energia renovável estão sendo fortemente orientados por políticas – a maioria dos países se comprometeu com as metas de energia renovável e se concentrou na política nacional que estimula a geração. Políticas como a compra garantida de energia gerada de forma limpa a tarifas competitivas e a oferta de autorizações e licenças para facilitar uma melhor interconexão da rede são geralmente favorecidas.

READ  Surto de coronavírus tem sério impacto na indústria solar

O investimento também é saudável. A IRENA relata que, entre 2006 e 2016, Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã investiram um total combinado de $ 27 bilhões no setor de energia renovável (2). Isso está criando uma mudança contínua dos ativos de geração da Ásia para fontes renováveis. A China é hoje o líder global em geração de energia hidrelétrica e eólica e em 2019 foi responsável por 50% do aumento global da capacidade de bioenergia (1). Enquanto isso, o continente contribuiu com 60% da nova capacidade mundial de energia solar alcançada no ano passado (1). Esse progresso é apenas o começo da descarbonização; entretanto, a transformação total de energia não é apenas geração de energia limpa. É garantir que todos tenham acesso justo e igual a essa energia.

Colocar as pessoas no centro da transformação de energia

Existem enormes disparidades em densidades populacionais, desenvolvimento econômico, níveis de infraestrutura pré-existente e clima físico, tanto dentro dos países quanto entre eles. Devido a isso, um cenário de energia está surgindo na Ásia que está cada vez mais focado em soluções localizadas e descentralizadas, obtidas por meio da utilização de parcerias público-privadas. Projetos como o Solar Homes System em Bangladesh levaram eletricidade limpa a quatro milhões de residências anteriormente fora da rede, o que equivale a 12% da população do país (3). Essa abordagem tem benefícios muito além do meio ambiente. O acesso a energia barata (e limpa) permite que as pessoas administrem negócios, a educação não pode ser interrompida, oferece benefícios à saúde e pode ajudar a paridade de gênero.

Estimular tais parcerias não é responsabilidade apenas dos governos. O setor privado é igualmente responsável por transformar a geração e o acesso à energia limpa. O setor privado, assim como seus produtos, atividades e impactos estão profundamente enraizados nos sistemas econômicos e sociais. Portanto, uma transição que funcione para todos dependerá de uma abordagem de pensamento sistêmico. As empresas que demandam mais energia e têm as maiores emissões não se limitam ao setor de energia.

READ  Aquecimento urbano: Operação e manutenção

Por meio do ODS2000 da World Benchmarking Alliance (WBA) – que lista as 2.000 empresas com maior impacto na sustentabilidade – foram identificadas as críticas para enfrentar a descarbonização e a transformação energética. Das 450 empresas a serem comparadas nessa transformação, apenas cerca de 12% (ou 53 corporações) estão atualmente tomando medidas com base em metas científicas. Isso sugere uma necessidade significativa de atuação de vários setores. As empresas com operações de alta energia devem demandar fontes de energia mais limpas, o que significa estabelecer metas robustas baseadas em pesquisas científicas.

A política também será um estímulo fundamental na implementação da próxima fase de mudança positiva para a Ásia. Ao contrário da Europa, onde encontrar um consenso tem sido um desafio, a natureza da governança na Ásia está oferecendo uma oportunidade para a região colaborar. A crescente eletrificação do setor automotivo na China é um exemplo em que essa abordagem está mostrando sucesso. A Ásia também está posicionada para se beneficiar de tecnologias e intervenções políticas inovadoras. Em escala nacional, países como a Coréia do Sul, que está implementando estratégias de “crescimento verde”, podem aprender com as deficiências da Europa. Por exemplo, desagregação sem a devida consideração do apoio político para energias renováveis, ou permitindo que as empresas de energia reduzam as emissões ao encerrar a propriedade dos ativos de geração, portanto, passando a responsabilidade pelas emissões para outros. Para vários setores, a inovação de processos será fundamental. O WBA Automotive Benchmark identificou que algumas empresas neste setor estão planejando um cenário em rápida mudança. Os fabricantes asiáticos estão entre os que se destacam na referência por facilitar a mudança para diferentes modos de transporte, serviços e modelos de negócios.

READ  Fornecendo energia acessível e renovável em Cheshire

Do editor Recomendado Artigos