Search

Start typing what you are looking for.

Categories

Regions

Hidrelétricas e emissões de gases de efeito estufa

Um estudo publicado em outubro deste ano na revista BioScience mostra que as usinas hidrelétricas contribuem para as mudanças climáticas adversas mais do que se pensava.

As usinas hidrelétricas pertencem à energia renovável e, portanto, têm reputação entre o público em geral e os políticos como instalações de energia limpa – afinal, hidrocarbonetos (carvão, gás natural, petróleo) não precisam ser queimados aqui para gerar eletricidade.

Ao mesmo tempo, o volume acumulado de pesquisa / conhecimento já requer o ajuste dessa estimativa. Os reservatórios artificiais criados para a operação de usinas hidrelétricas são uma fonte poderosa de emissões de gases de efeito estufa.

Há uma série de estudos revisados ​​por pares que mostram que as emissões desses corpos d’água são significativamente mais altas do que comumente se acredita.

O artigo (Li, S., & Zhang, Q. (2014). Emissão de carbono de reservatórios hidrelétricos globais revisitados. Environment Science Pollution, 13636-13641) examina quanto carbono é realmente emitido de reservatórios hidrelétricos. O artigo enfatiza que essas emissões não estão incluídas no orçamento global de carbono devido a algumas incertezas. Os autores do artigo estimam que as emissões globais de reservatórios hidrelétricos são de aproximadamente 301,3 teragramas de CO2 e 18,7 teragramas de CH4 (metano) por ano (um teragrama é aproximadamente igual a 1 milhão de toneladas métricas).

No artigo (Demarty, M., & Bastien, J. (2011). Emissões de GEE de reservatórios hidrelétricos em regiões tropicais e equatoriais: Revisão de 20 anos de medições de emissão de CH4. Política Energética, 4197-4206), a quantidade de emissões de gases de efeito estufa de hidrelétricas reservatórios no Canadá e em todo o mundo.

Um artigo (Li, S., & Lu, XX (2012). Incertezas da emissão de carbono de reservatórios hidrelétricos. Natural Hazards, 1343-1345) mostra que as emissões de dióxido de carbono de reservatórios hidrelétricos são amplamente subestimadas. Os autores investigam quais tipos de incertezas os cientistas enfrentam ao avaliar as emissões de carbono de reservatórios artificiais (flutuações significativas na área do reservatório ao longo do tempo, falta de dados sobre as emissões de novas usinas na China e Índia, relação entre emissões e idade do reservatório …).

READ  Nova tecnologia pode transformar as emissões de CO2 em materiais úteis

O estudo recém-publicado começamos com afirmações de que reservatórios artificiais emitem cerca de um bilhão de toneladas de gases de efeito estufa a cada ano – 1,3 por cento do total das emissões globais.

Os autores acreditam que os reservatórios de água superficial por unidade emitem 25% mais metano do que se supunha anteriormente (o metano permanece na atmosfera por apenas cerca de dez anos, enquanto o CO2 – por vários séculos. Mas em termos de 20 anos, previsível para o público e os políticos, a contribuição do metano no período para o aquecimento global é três vezes maior do que o CO2).

O metano é gerado no fundo dos reservatórios onde matéria orgânica, árvores e gramíneas são decompostas. Parte do metano é convertido em CO2, o restante é transportado para a superfície na forma de bolhas.

Depois de analisar mais de 250 barragens (um quarto do total da área ocupada globalmente), os pesquisadores descobriram que os reservatórios artificiais emitem mais metano do que os naturais – lagos e pântanos.

Uma conclusão importante a partir de trabalhos científicos: o volume de emissões de metano não está relacionado à localização ou idade do reservatório, como sugeriram outros pesquisadores, mas à quantidade de matéria orgânica.

Este estudo certamente é útil para levar em consideração ao projetar a colocação e construção de novas usinas hidrelétricas.