Melhorar a eficiência energética do setor da construção em toda a UE

A Comissão Europeia está promovendo edifícios inteligentes e a eficiência energética do setor de construção como parte de sua estratégia para 2030 anunciada recentemente

A recente adoção da Comissão Europeia ‘Energia limpa para todos os europeus ‘ pacote, no final de novembro de 2016, foi amplamente divulgado e confirmou amplamente o papel de liderança da UE na luta contra as alterações climáticas.

Esta iniciativa sem precedentes – na Europa e em todo o mundo – abrange vários aspectos da política energética, da eficiência energética às energias renováveis, da concepção do mercado de energia à governança. Em particular, deixou claro que a eficiência energética deve ser o principal motor de uma sociedade sustentável. Só garantindo que o potencial de eficiência energética seja efetivamente explorado nas próximas décadas, poderemos atingir os ambiciosos objetivos definidos pela política energética da União Europeia para 2030 e 2050, bem como assegurar que as gerações futuras vivam numa sociedade sustentável e segura.

A eficiência energética do setor de construção tem grande potencial

No que diz respeito à eficiência energética, uma das áreas de melhoria mais promissoras foi, e continua a ser, o setor da construção. Os números falam por si: O consumo final de energia em edifícios representa 40% do consumo total e 36% do CO total2 emissões na UE. Além disso, estima-se que cerca de 75% do parque imobiliário da UE ainda é ineficiente do ponto de vista energético. Este é um valor que, tendo em conta o baixo índice de renovação (em média cerca de 1% ao ano), não é provável que melhore muito nos próximos anos se não forem tomadas medidas adicionais.

A boa notícia, porém, é que as políticas energéticas da UE se revelaram extremamente bem-sucedidas na promoção da eficiência energética no setor da construção. Para citar apenas um exemplo, as novas habitações construídas hoje na UE consomem em média 40% menos energia do que as recém-construídas há 20 anos, ao mesmo tempo que cumprem padrões de conforto mais elevados.

See also  A Ásia pode ser a primeira região do mundo a alcançar a transformação energética para todos?

Com base nesse sucesso e em reconhecimento ao potencial inexplorado de eficiência energética, é chegado o momento de mostrar uma ambição ainda maior. Para enfrentar este desafio, a Comissão Europeia propôs melhorias substanciais ao quadro legislativo da UE no domínio da energia. Isso se aplica particularmente ao Diretiva de Desempenho Energético de Edifícios (EPBD), que foi reorientada e simplificada a fim de promover a renovação eficaz em termos de custos do parque imobiliário da UE e de incentivar a utilização de tecnologias da informação e da comunicação (TIC) e tecnologias inteligentes nos edifícios.

Inteligência é importante

Estas melhorias foram há muito estudadas, avaliadas e analisadas e são o resultado de consultas intensas e abertas envolvendo as partes interessadas de toda a UE, com um objetivo principal: Garantir que os utilizadores dos edifícios e consumidores de energia colherão alguns benefícios.

A este respeito, as TIC e as tecnologias inteligentes são particularmente promissoras. Eles podem dar aos usuários do edifício mais visibilidade de seu consumo de energia e mais controle sobre os edifícios. Podem monitorizar a energia do edifício e adaptar-se às mais variadas condições, garantindo sempre as condições ideais em termos de conforto e eficiência energética. Eles permitem a participação efetiva dos edifícios em redes de energia inteligentes, garantindo um ótimo retorno do investimento dos ativos energéticos dos edifícios. Eles permitem procedimentos de manutenção de monitoramento remoto, que são muito mais econômicos do que as inspeções periódicas no local.

A lista poderia ser mais elaborada, mas o ponto principal é que a inteligência dos edifícios se traduz essencialmente em melhores condições de vida, menores custos de operação e manutenção de edifícios e contas de energia mais baixas.

Combinado com um apoio adequado para renovações em grande escala, seria benéfico para todos os cidadãos e poderia, em particular, aliviar a pobreza energética, que afeta um número significativo de famílias na UE. Por estes motivos, a Comissão Europeia atribuiu grande prioridade à promoção da implantação das TIC e das tecnologias inteligentes nos edifícios. Na sua proposta de alteração da EPBD, a Comissão Europeia preconiza, em particular, a criação de um Indicador de Inteligência para edifícios. Este indicador fornecerá informações focadas e sintéticas sobre a prontidão de construção para monitoramento e gerenciamento inteligentes. Juntamente com o certificado de desempenho energético dos edifícios, já disponível em toda a UE, o Indicador de Inteligência também irá garantir que os potenciais novos inquilinos ou compradores possam avaliar o valor real dos edifícios e fazer as escolhas mais informadas.

See also  Em direção a uma transição energética

Sylvain Robert

Direcção-Geral da Energia

Unidade de Eficiência Energética – Comissão Europeia

[email protected]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Post